Copyright 2017 - Custom text here
 
Era uma vez, um casal jovem recém-casados morando numa casinha com tudo que precisava para ser feliz. Era tudo do jeito que eles tinham sonhado que seria quando fossem casados; e ninguém precisava voltar para a sua antiga casa depois de se encontrar toda noite. Agora eles podiam gastar todas as suas horas juntos curtindo o seu amor. O rapaz sempre trazia flores pra casa depois do trabalho e sempre sua linda esposa estava o esperando na porta com seu prato preferido na mesa.
Eles não tinham muito tempo casados, talvez um mês, então tudo ainda era novo, um dia de lua de mel após o outro. Era bom demais. Eles estavam tão felizes. Uma noite, a moça não conseguia dormir e o rapaz a sentiu se mexendo na cama e perguntou:
“Você está bem?”
“Sim, mas não estou conseguindo dormir. Vou dar uma volta na praça.”
“Beleza, mas se cuide”.
Ele voltou a dormir e somente acordou duas horas depois. Quando ele acordou a primeira coisa que fez foi olhar para o outro lado da cama e ver se sua amada esposa já estava dormindo. E para a sua supresa e temor, ela não estava lá. “Onde ela estava? O que aconteceu?” Medo encheu seu coração. Já era a madrugada e sua esposa não tinha voltado. Ele se vestiu depressa e correu na direção da praça. Chegando perto ele viu as costas dela e foi correndo mais rápido ainda até que viu que ela não estava sozinha, ela estava lá com outro cara... nos seus braços... e eles estavam beijando. E ele travou sem saber o que fazer, sem saber o que falar, sem saber o que pensar. E assim, ele simplesmente se virou e voltou para casa, confuso, perdido nos seus pensamentos. “O que aconteceu? O que deu errado? Por quê?”
Na hora que ele virou as suas costas, a sua esposa o viu e rapidamente se despediu do rapaz que estava com ela e correu atrás dele. “Amor! Espere! Não é o que você está pensando!” Mas ele não parou e continuou andando. Chegando a casa, ele se sentou no sofá, colocou as mãos na cabeça e chorou. Ela entrou logo atrás dele e se ajoelhou na sua frente também chorando e pedindo perdão. “Amor, não é o que você está pensando. Eu não fui lá com a intenção daquilo acontecer. Eu realmente não conseguia dormir e fui dar uma volta. Mas, quando eu cheguei à praça, eu vi um namorado antigo meu e sentei para conversar com ele. Num momento durante a conversa, eu comecei olhar nos dele olhos e os antigos sentimentos por ele começaram a se despertar e antes de saber o que estava acontecendo, eu me achei nos braços dele e o beijando. Foi nessa hora que você chegou. Sei que não devia ter acontecido, mas foi sem querer. Eu nem gosto dele. Eu amo você. Você é a paixão da minha vida. Por favor me perdoe”.
Ele não respondeu, mas passou o resto da noite sentado no sofá pensando em como a vida dele que era tão perfeita tinha virado tão errada. Ela falou que foi sem querer e não foi algo planejado, mas isso não trouxe nenhum pouco de conforto ao seu coração. Doeu. Doeu mesmo. Ainda assim, ele a amou e a perdoou em seu coração. Depois um tempo tudo estava como era, quase no mesmo lugar de antes. Eles eram felizes mais uma vez e tinha-se esperança de um futuro melhor, até o dia em que ele decidiu fazer uma surpresa e buscá-la para almoçarem fora juntos.
Quando ele estava chegando perto de casa e virou na esquina da paderia, viu alguém que parecia com sua esposa perto do orelhão. Ele olhou de novo e sem dúvida, era ela. Só que ela não estava sozinha. Mais uma vez ela estava nos braços do mesmo cara. Ele nem parou seu carro, mas continuou dirigindo e voltou para o seu trabalho sem almoçar. Só que ela viu o carro dele virar a esquina e foi correndo atrás dele na esperança de que seu amado esposo iria pra casa deles. Mas não, ele não estava lá quando ela chegou. E ela sabia que ele a tinha visto. Então desesperada, ela ligou para ele chorando:
“Amor, eu vi seu carro”.
“Ah é? Eu vi você também. Eu estava indo para te buscar para almoçar, mas você já estava ocupada então voltei para o trabalho”.
“Amor, sei que você me viu e posso imaginar no que está pensando. Não é nada disso. Eu fui à padaria para buscar pão para o seu jantar hoje e quando eu cheguei lá meu ex-namorado estava ali e começamos conversar. Não sei o que aconteceu, mas de repente nós estávamos beijando. Eu não sei como explicar isso, mas, eu nem gostou dele. Na verdade eu o odeio. É você que eu amo. Eu estou apaixonada por você. Por favor, me perdoe. Alô? Alô?”
“Ainda estou aqui.”
“Você ouviu o que eu falei?”
“Ouvi.”
“Eu te amo”.
“Tá legal. Tenho que trabalhar agora”.
E sem dizer “tchau”, ele desligou o telefone. Naquela noite ele voltou para casa mais tarde do que normal. Ele foi dar uma volta perto do seu trabalho. Tinha muita coisa que ele precisava pensar e tentar entender. Ele pensou em ir a um bar, mas fazia anos que não entrava num, então não fazia muito sentido. De qualquer jeito, não concertaria nada. Quando ele chegou a casa, o seu prato preferido estava o esperando na mesa e sua esposa não comentou nada do fato de que ele estava atrasado e a comida já estava fria.
“Como foi seu dia?”
“Bom”.
“Fiz seu prato preferido”.
“Não estou com fome”.
“Comeu lá fora”.
“Não”.
E com essa, ele saiu da sala e foi na direção do seu quarto.
“Amor, nós precisamos conversar”.
“Eu não quero conversar. Eu quero dormir”.
Na verdade, ele não dormiu nada aquela noite, mas era melhor do que ouvir a sua esposa tentar se justificar e ao mesmo tempo declarar seu amor por ele. Na manhã ele saiu cedo para evitá-la e suas conversas. Ele sabia que perdoaria, mas ia levar tempo.
Alguns meses depois, a felicidade estava de volta em sua casa e houve uma esperança de um dia terem filhos. Já havia passado tanto tempo desde aquela situação que ele quase nem pensava no que tinha acontecido. Quando ele perdoava, ele perdoava de verdade e tentava não lembrar ou guardar algo, pois ele também não era perfeito.
No sábado que estava chegando, eles marcariam um ano desde que casaram, então ele pediu ao seu patrão permissão para sair cedo na sexta-feira, para poder curtir a tarde com a sua esposa. Ele estava tão feliz, só de pensar que já estavam juntos por quase um ano. Assim ele parou na ida pra casa para comprar flores pra ela e não eram flores quaisquer não, eram suas preferidas, lírios. Chegando perto de casa ele teve a ideia de chegar buzinando, mas achou que talvez os vizinhos não fossem curtir o barulho, sem se importar se ele estava apaixonado ou não. Então ele chegou sem a avisar. Entrando em casa, ele ouviu um barulho no quarto. “Ela deveria estar arromando a cama” pensou. Mas quando entrou no quarto, viu uma cena rolando na sua frente que ele não estava preparado para ver. Era sua esposa com o mesmo namorado nua na cama e gozando em cima dele. Essa vez ele não segurou a sua voz, e sem pensar, deixou as flores cair no chão e gritou: “AAAAAHHHHH!!!!! NÃÃÃOOO!!!!!!!!!!!!”
Ela espantada e cheia de medo pulou da cama, no mesmo instante o namorado correu do quarto deixando pra trás suas roupas. E ela, bem ali, se jogou sobre os pés dele pedindo por compreensão, compaixão e misericórdia.
 
“Amor me perdoe. Eu não sei o que dizer. Eu amo você. Você é o amor da minha vida. Você é o único homem que eu quero. Eu só quero você. Eu nem gosto dele. Na verdade, eu odeio ele. Eu.....”
“Chega!!! Eu não quero ouvir mais as suas palavras falsas, suas promessas vazias, sua mentiras de amor e paixão! Se você me ama, me mostre. Me mostre através da sua fidelidade! Pare de me trair!”
E essa é a mesma coisa que Deus está gritando para sua “noiva” que não “consegue” largar os seus namorados, seus amantes, seus pecados do passado. Ele não quer saber das suas desculpas e justificações; suas palavras furadas, suas promessas vazias, suas mentiras.
“Pare de mentir para mim! Eu não quero sua adoração falsa. Eu não quero ver suas mãos sujas sendo levantadas na minha direção. Pare de falar para mim do seu amor! Suas palavras são todas mentiras! Se você me ama, me mostre. Mostre-me seu amor sendo fiél a mim! Pare de pecar!”
Infelizmente é aqui que nós nos achamos como a igreja hoje em dia. Um povo que todo domingo declara seu amor e paixão por Deus, mas que vive curtindo coisas que são ofensas a ele durante a semana toda. Chegou a hora da noiva parar de falar o que acha que o noivo quer ouvir ou que ela espera que um dia se torna realidade. Chegou a hora da gente se separar do mundo e mostrar para ele quanto nós o amamos.
2 Coríntios 6.17-18: “Saiam do meio deles, e se separem deles”, diz o Senhor, “e não toquem em nada impuro, e eu os receberei, e eu serei seu Pai, e vocês serão meus filhos”, diz o Senhor Todo-Poderoso”.
Fidelidade é o que ele espera. Fidelidade é que nós devemos a ele.
Jeff